quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Moda infantil primavera verão 2012 2013 - Tendências

Subaquatic Tribes: A moda que veio do mar

Tendência Subaquatic Tribes: para moda infantil primavera verão 2012 2013. Foto:Divulgação
As profundezas do oceano inspiram a moda em tons de azul e verde, assim como uma vibrante cartela com tonalidades de coral, rosa, tangerina e clorofila. Nessa temática, as roupas reproduzem as texturas das criaturas do mar e trazem detalhes gráficos e tribais da África.


Jeans, lantejoulas, vestidos com saias volumosas e com camadas ou peças ajustadas na cintura e com mangas morcego são alguns dos pontos chave, enquanto uma mistura de tecidos, texturas e estampas é a característica principal dessa tendência.

Marcas como BóboliTuc TucOca LocaLea Lelo e Pan con Chocolate foram as que lançaram mão dessas apostas.


Urban Nomads: Safári na cidade

Tendência Urban Nomads para moda infantil primavera verão 2012 2013. Foto:DivulgaçãoO look safári é um clássico do mundo adulto e chegou com formato mini para conquistar até mesmo os mais jovens trend-setters com tons de marrom terra e cinza, os mais recentes hits dessa temporada. As listras, padrões étnicos, bermudas, túnicas curtas e calças de jogging trazem conforto, enquanto vestidos de inspiração Saara em tecidos leves e frescos foram pontilhados com detalhes fluorescentes e acessórios brilhantes.

LourdesBóboliLosanCóndor e Oca Loca reinterpretaram a África através de uma nova e divertida perspectiva. 




Technicolour Sorbet: O estilo surfista está de volta

Tendência Technicolour Sorbet para a moda infantil primavera verão 2012 2013. Foto:Divulgação
As praias da Califórnia e o estilo surfista são a base do look onde estampas florais remanescentes das camisas havaianas são destaque nas grifes Losan, Tuc Tuc,Bóboli, Lourdes e Lea Lelo.

Saias de cintura alta, macacões, calças estilo capri e versões mais curtas vêm em uma ampla gama de cores como fúcsia, alaranjado, verde limão, água-marinha e turquesa.

HispanitasCuquito and Giosseppo ofereceram sandálias multi-coloridas para completar um look ideal para curtir o sol e a praia. 



Romanticism Workshop: O artesanato de outrora

Tendência romântica também é aposta das grifes infantis para a primavera verão 2012 2013. Foto:Divulgação
Peças artesanais inspiram essa tendência que parece ir de volta ao passado onde materiais finos são artisticamente adaptados. Cortes clássicos tornam em vestidos de cambraia com detalhes de renda, babados e crochê, fornecendo um guarda-roupa romântico para as pequenas.

A moda para ocasiões especiais inclui vestidos de malha e boleros com grandes laços, flores e detalhes feitos à mão como as peças trazidas pelas grifes BarcarolaMenuts ElisaLarranaFoqueMayoral. Sapatos bonitos da marca Hispanitas adicionaram charme aos looks.
Peças das grifes espanhoas na FIMI edição primavera verão 2012 (verão 2013). Foto:Divulgação










http://www.portaisdamoda.com.br

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

VAMOS RESOLVER?

09. (PUC - PR)

a) rio Ganges                    (       ) o maior da África
b) rio Iang-tse Kiang           (       ) o maior da Europa
c) rio Nilo                          (       ) rio sagrado da Índia
d) rio Congo                      (       ) banha o norte da Itália
e) rio Reno                        (       ) o maior  da China (rio Azul)
f) rio Volga                        (       ) o mais navegado da Europa
g) rio Pó                           (       ) fica na África Central

A ordem correta é:

a) d, e, a, f, f, b, c
b) f, a, g, b, c, e, d
c) c, f, a, g, b, e, d
d) d, e, b, g, a, f, c
e) g, d, b, a, f, e, c

















Resposta: Letra c) c, f, a, g, b, e, d.

sábado, 1 de setembro de 2012

Parque Nacional da Gorongosa – Moçambique


O Parque Nacional está localizado na região Central de Moçambique, no Leste da África. E possui uma área de mais de 4.000 quilômetros quadrados de savana, floresta de arbustos, e uma floresta tropical dominante da região. O Parque Nacional da Gorongosa oferece cenários espectaculares para todos os interessados na Fauna Bravia Africana. Tem leões, elefantes, búfalos, e muitas espécies de antílopes, com frequentes observações de  pala-palas, impalas, oribis, inhacosos, imbabalas, changos, cudos, inhalas, e ainda que de forma menos frequente, zebras, gondongas e elefantes.
 O lago Urema e as suas águas acomodam uma população apreciável de crocodilos e hipopótamos. Os pássaros do Parque são fantásticos! Cerca de 400 espécies de pássaros foram registradas nos últimos anos. Muitas delas são endêmicas ou quase endêmicas e muito apreciadas pelos amantes de pássaros. O Papa-figos de Cabeça Verde (Green-headed Oriole), por exemplo, ao nível de toda África Austral só ocorre na Serra de Gorongosa, e a Felosa Real (Moustached Warbler) já foi identificado em Chitengo assim como na Serra.
A região Central de Moçambique tem um clima tropical de savana.As temperaturas no Verão rondam os 30-40°C, com uma elevada umidade (Novembro - Março). Os meses de Inverno apresentam uma média de 15-25°C (Abril - Outubro). Os meses de Junho, Julho e Agosto são os meses mais frios de Moçambique e poderá precisar de um cobertor durante a noite, embora às vezes a temperatura atinja mais de 30°C durante o dia. Os safáris fotográficos no Parque só são possíveis visitações durante os meses de Abril a Novembro (época seca) uma vez que durante a época das chuvas (meados de Dezembro a meados de Março) as picadas internas do Parque ficam intransitáveis.
Língua - A língua oficial de Moçambique é a Língua Portuguesa. Muitas pessoas das principais cidades (Maputo, Beira, Chimoio) também falam Inglês. Dentro e nos arredores do Parque da Gorongosa, as populações locais falam a língua Sena ou Xi-Gorongosi (um dialeto local), embora muitos saibam falar algum português. O pessoal do parque em Chitengo fala fluentemente inglês e português e alguns falam outras línguas europeias.


Existem dentro do parque áreas como se fosse hospedarias, e também área de acampamento. O parque Gorongosa possui um bar e um restaurante que server comida tipicamente Moçambicana. A área de acampamento é mais conhecida como "Explore Gorongosa" que é uma iniciativa privada de ecoturismo que gere luxuosos e exclusivos safáris a pé apoiados por um acampamento de luxuosas tendas concebidas para proporcionar o máximo conforto. Esta excepcional experiênca de experiência personalizados, é conduzida por guias especializados para um máximo de oito convidados e proporciona o que há de mais sofisticado em serviços de safáris e em conforto pessoal.
 

Tem a disponibilidade da utilização de jipes abertos com 10 lugares e um guia especializado para efetuar safaris fotográficos nos 150 kms de picadas do Parque, em que você conhecerá lugares como a antiga Casa dos Leões ou o antigo Miradouro dos Hipopótamos. O Parque Nacional da Gorongosa é quase uma selva rodeada de zonas rurais com apenas poucas e pequenas aldeias espalhadas. Quer viaje de avião, quer de carro ou de autocarro, você vai precisar de fazer planos de viagem antecipados. 
E ai? Topa visitar este maravilhoso lugar?
 "EU QUERO"

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

10° Dia: Deserto do Kalahari


Kalahari significa “a grande sede”. Este deserto está localizado no Sul da África, abrange os países Botswana, Namíbia e África do Sul.

O Kalahari possui vasta área coberta por areia avermelhada sem afloramento de água, porém partes dele recebem chuva mal distribuída anualmente e possuem bastante vegetação.

Há grandes reservas carvão mineral, cobre, níquel e urânio na região, e também uma das maiores minas de diamante, em Orapa, Makgadikgadi, nordeste do Kalahari.

Este deserto conta com uma extensão de mais de 700.000 milhas quadradas.




O suricata, também conhecido como sentinela, é nativo do deserto do Kalahari e se tornou um animal famoso graças ao filme “O Rei Leão”.

Me deu uma vontade de viajar!!!!

TURBANTE...


O turbante consiste em uma grande tira de pano de até 45 metros de comprimento enrolada sobre a cabeça, e de uso muito comum na Índia, no Bangladesh, no Paquistão, no Afeganistão, no Oriente Médio, no Norte da África, no Leste da África (principalmente no Quênia), no Sul da Ásia e em algumas regiões da Jamaica.
A origem do turbante é desconhecida, mas sabe-se que já era usado no Oriente muito antes do surgimento do islamismo.
As inúmeras formas de amarrar o turbante representam uma espécie de linguagem popular, podendo indicar a posição social, a tribo a que a pessoa pertence e até mesmo o seu humor naquele momento. O uso mais intensivo do turbante se estende por toda a Ásia e pela África.
Os sikhs, que não são nem muçulmanos e nem árabes, constituem a maioria das pessoas que usam turbantes no mundo ocidental.
O Ojá é um tipo de torço ou turbante usado na cabeça nas religiões tradicionais africanas, religiões afro-americanas, religiões afro-brasileiras, podendo ser de vários tipos e cores.

Aprenda como se faz um Turbante:

video

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A Anciã Valiosa


A África um dos continentes mais belos do planeta, com sua rica diversidade,contêm um grande setor econômico, com muita riqueza e fartura.

Podemos citar que o continente é um dos maiores exportadores de petróleo do mundo e que não se sabe ao certo a quantidade exata produzida, pois os países produtores escondem os valores realmente produzidos. No setor de metais e pedras preciosas podemos evidenciar sua excelência.

A África do Sul representa 25% do PIB africano, e tem como principais setores econômicos: a indústria, a mineração (ouro, platina, cromo, diamantes), turismo e finanças. Além de possuir um terço do urânio mundial. A África tem uma localização privilegiada com acesso aos oceanos Atlântico e Índico, abastecendo grande parte do mercado externo.


A África do Sul tem uma forte base agrícola. O clima temperado e a grande quantidade de terras férteis favorecem a exploração de culturas e abundantes colheitas. O Ministério de Arte e Cultura trabalham em parceria com o Ministério de Comércio e Indústria para que haja o desenvolvimento mutuo de ambos.

Baseado nos fatos acima, podemos entender que o continente africano, estácaminhando a passos largos para ser uma das maiores promessas da economia mundial.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

VAMOS RESOLVER?

08. (LONDRINA) Na África, uma extensa faixa que se estende no sentido leste-oeste, desde a Europa até o Senegal abrangendo todo o sul do Saara, recebe de seus habitantes a denominação de Sahel. É área caracterizada pelo predomínio de:
 
a) vegetação mediterrânea.
b) floresta equatorial.
c) floresta tropical.
d) estepes.
e) savanas.












Resposta: Letra d) estepes.

9° Dia: Kilimanjaro


Resolvi mudar um pouco nossa rota e parar no Nordeste da Tanzânia.  Atração turística popular, o Monte Kilimanjaro, localizado no parque nacional, é uma camada de dormentes vulcânica. Que consiste em três vulcões (Kibo, Mawenzi e Shira), Kilimanjaro (5.895 metros com o seu) é a montanha mais alta da África e um dos maiores vulcões do mundo.

Obrigação para aqueles que gostam de caminhadas, o antigo vulcão vai ser capaz de dar emoções verdadeiramente única e inesquecível: uma paisagem fascinante e única da região tropical, animais selvagens que habitam as terras altas e que podem ser encontrados no início do caminho, fazer até Kilimanjaro muito mais um paraíso natural real para os caminhantes. 

Caminhos diferentes (com diferentes níveis de dificuldade), permite aos visitantes chegar ao topo da montanha (o ponto mais alto da África) dando-lhes sensações únicas. Em suma, um destino que não pode ser perdida para aqueles que estão buscando uma experiência inesquecível.


O Monte e as florestas circundantes, com uma área de 75353 ha, possuem uma fauna rica, incluindo muitas espécies ameaçadas de extinção e constituem um parque nacional que foi inscrito pela UNESCO em 1987 na lista dos locais que são Património da Humanidade.

O complexo do Monte Kilimanjaro com as suas florestas, localizado entre 2°50-3°20S, 37°00-37°35E, tinha sido considerado uma reserva de caça pelo governo colonial alemão nos princípios do século XX, mas foi considerado uma reserva florestal em 1921, até que, em 1973, foi declarado como Parque Nacional.




Um fato que deve ter uma atenção toda especial: Cientistas afirmam que a neve do Kilimanjaro pode desaparecer dentro de 20 anos. O derretimento demonstra que as atuais condições climáticas vividas pelo Kilimanjaro são únicas nos últimos 11 milênios.

Para os aventureiros de plantão, Monte Kilimanjaro é uma ótima pedida!

domingo, 26 de agosto de 2012

7 autores africanos


A literatura presente na África têm atraído cada vez mais os leitores brasileiros, e é composta por dois tipos: a Árabe e a Africana.

Sendo o escritor um reflexo de sua época e meio, a literatura árabe é produzida por países árabes e muçulmanos, onde se relata os problemas relacionados às mulheres e a atual política local. Já a literatura considerada africana é aquela escrita em países que não têm a cultura islâmica e árabe. Contudo, não considera-se então a literatura como a do continente como um todo, devido à cultura, a busca de identidade, a realidade de cada um.

Autores da África do Sul que escrevem em inglês:

John Maxwell Coetzee – nascido em 9 de fevereiro de 1940, em Cidade do Cabo, escreve de forma considerada ácida e bem escrita, traduz em seus romances com maestria a realidade do apartheid. Ganhou o prêmio NOBEL em 2003, sendo o quarto escritor africano com essa honraria e o segundo em seu país. Bacharel em língua inglesa e em matemática, passou 3 anos na Inglaterra onde trabalhava com a profissão de programador de computadores e escrevia uma tese sobre um inglês. Em 1968 completou seu doutorado em linguística das línguas germânicas, e até 1971 foi professor da Universidade do Estado de Nova Iorque, mas depois lhe foi negado o direito de residência permanente nos EUA, então retornou à África do Sul e ensinou na Universidade da Cidade do Cabo.


Sua carreira literária no campo da ficção iniciou-se em 1969, porém seu primeiro livro, Dusklands, só foi publicado em 1974, na África do Sul. Ele recebeu vários prêmios antes do Nobel e foi o primeiro a receber o BookerPrize por duas vezes, em 1983 e 1999, e totalizou até então um total de 20 livros publicados.


Nadine Gordimernascida em 20 de novembro de 1923, em Johannesburg, é a primeira ganhadora africana do prêmio Nobel, recebido na década de 90. É autora de cerca de 35 livros, sendo 14 de ficção, 15 coletâneas de contos, 1 peça, 3 ensaios e 2 outros livros. Não tão conhecida no Brasil, escreve desde os 15 anos, “A arma da casa”, uma história inesquecível de um casal que descobre que seu filho cometeu um crime.


Traz na maioria dos teus livros crônicas sobre a deterioração social que afetou a África do Sul durante o regime de apartheid, Desde o romance The LyingDays, que a estreou em 1953, até The Conservationist, em 1974, vencedora do BookerPrize, começou a dedicar sua escrita à dramatização das difíceis escolhas morais surgidas numa sociedade marcada pela segregação racial.



Autores de Angola que escrevem em português:

Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos (Pepetela): nascido em 29 de outubro de 1941, em Benguela, escreve sobre a época das guerrilhas e sobre a atualidade, ainda estudante foi guerrilheiro e participou da guerra colonial que fez Angola deixar de ser colônia portuguesa. Um dos escritores mais militantes do país, com vários prêmios ganhados pelo mundo, fazendo análise da Angola a partir da construção da nação.


Na década de 90 sua escrita ainda se preocupava muito na história da Angola, mas começando a analisar a situação política do país com maior critica e sentido de ironia. A situação piorou em Angola nos anos 90, então este ficou grande tempo em Lisboa e no Brasil, mas ficando bastante mais conhecido no mundo lusófono. Em 1997 ganhou o reconhecido Prêmio Camões pelo conjunto de sua obra, sendo o autor mais jovem a receber este prêmio, segundo africano e o primeiro angolano.

Ndalu de Almeida (Ondjaki) – nascido em 1977, em Luanda, formado em Sociologia em Lisboa, com experiência em teatro e pintura. É representante da nova geração, cineasta, ator e artista plástico. Apesar de jovem seus livros tratam de temas que pouco saem na mídia, como crianças de 6 anos que sofrem mazelas das guerras. Mora no Rio desde 2007.


Foi laureado com o Grande Prêmio de Conto Camilo Castelo Branco, em 2007 pelo seu livro Os da Minha Rua, recebeu também, na Etiópia, o prêmio Grinzane por melhor escritor africano, em 2008, em outubro de 2010, ganhou no Brasil o Prêmio Jabuti, na categoria juvenil. Com 16 obras publicadas, algumas traduções para Itália, Uruguai, Suíça, Espanha, Inglaterra, Canadá, Argentina, México, Sérvia, Suécia, Cuba, Polônia e 8 prêmios.

José Eduardo Agualusa – nascido em 13 de dezembro de 1960, em Huambo, estudou agronomia e silvicultura no Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa, e colaborava com a publicação do jornal português Público desde a sua fundação.


Utiliza em suas escritas uma linguagem poética e a fantasia para contar temas fortes sobre a realidade angolana. Atualmente escreve crônicas mensalmente para a revista portuguesa LER e semanalmente para o jornal angolano A Capital.

Divide seu tempo entre Brasil, Portugal e Angola e é um autor que tem agregado muitos novos fãs no nosso país por sua escrita universal, fundador da editora Língua Geral, dedicada a autores de língua portuguesa.

Autores de Moçambique que escrevem em português:




António Emílio Leite Couto (Mia Couto) – nascido em 5 de julho de 1955, em Beira, é biólogo e escritor moçambicano. Iniciou os estudos de medicina quando começou o curso de jornalismo. Largou a medicina para dedicar-se às palavras. Escreve contos, crônicas, poesia e romances. Consegue transmitir a cultura de sua terra através de escrita refinada e poética. É comparado a Gabriel García Márquez, Jorge Amado e João Guimarães Rosa e já ganhou muitos prêmios literários.



Paulina Chiziane – nascida em 4 de junho de 1955, em Manjacaze – Gaza, aprendeu a língua portuguesa em escola de missão católica, fez militância política, mas desiludiu-se com os partidos e concentrou-se na literatura,iniciou estudo em Linguística, porém não o concluiu e em 1984 começou a sua atividade literária, escrevendo contos publicados na imprensa moçambicana, em 1990 com a divulgação do seu primeiro livro, Balada de amor ao vendo, tornou-se a primeira mulher moçambicana a publicar um livro.